Webmail CUT

Acesse seu Webmail CUT


Login CUT

Acesse a CUT

Esqueceu a senha?

Servidor não ganha demais! Salário de municipais equivale ao de trabalhadores privados

Somente uma concentrada elite no serviço público possui altos salários, a maioria não.

Escrito por: Fetamce com informações da DW Brasil • Publicado em: 04/09/2020 - 18:08 • Última modificação: 04/09/2020 - 18:24 Escrito por: Fetamce com informações da DW Brasil Publicado em: 04/09/2020 - 18:08 Última modificação: 04/09/2020 - 18:24

. .

O governo federal apresentou ontem (03/09) ao Congresso sua proposta de reforma administrativa, com novas regras para contratar, remunerar e promover servidores públicos. Nesse debate, uma posição aparece com frequência: a de que servidores no Brasil ganham demais e têm privilégios.

O argumento já foi usado pelo próprio ministro da Economia, Paulo Guedes. Em fevereiro, durante uma palestra, ele comparou os servidores a “parasitas” que se aproveitavam do Estado, o “hospedeiro”. Após a reação de trabalhadores públicos, ele pediu desculpas e disse que havia se expressado mal.

É verdade que há entre os servidores, uma elite, como alguns juízes e membros do Ministério Público, que conseguem ter vencimentos de mais de R$ 100 mil por mês, acima do teto constitucional.

Mas um olhar detalhado sobre o funcionalismo público, que emprega 11,4 milhões de pessoas, revela um universo de remuneração muito discrepante, como o próprio Brasil — um dos países mais desiguais do mundo.

Uma maneira de medir essa desigualdade é comparar o salário médio dos servidores de cada um dos três poderes.

Em média, o servidor brasileiro (das três esferas) ganha apenas 19% a mais que um trabalhador da iniciativa privada, diferença abaixo da média de 53 países pesquisados pelo Banco Mundial. E não há praticamente nenhuma diferença salarial entre servidores municipais e trabalhadores da iniciativa privada.

Já os servidores estaduais ganham em média 36% a mais do que os funcionários de empresas privadas, enquanto os servidores federais têm uma diferença salarial de 96%.

Os salários

Servidores municipais têm salário médio de R$ 2,9 mil, mas 61% destes funcionários estão na faixa salarial de até R$ 2,5 mil.

Por sua vez, R$ 5 mil é a média salarial de um servidor estadual, que equivale a 55% do salário médio, de R$ 9,2 mil, de um servidor federal. No entanto, há uma prevalência de menor remuneração: No Executivo Federal, 48% de todos os funcionários públicos ganham até R$ 2,5 mil por mês.

O que faz a média tanto na esfera Estadual como na Federal ser alta é haver o alto escalão do serviço público, que inclui deputados estaduais, secretários, deputados federais, senadores, presidente, ministros, militares de alta patente, defensores públicos, profissionais do Ministério Públicos, juízes e outros privilegiados. Esta “sorte” não é sentida pelas demais carreiras e cargos. Só no Judiciário, 4,2% recebem mais de R$ 30 mil, enquanto um gestor público do governo federal pode ganhar mais de R$ 25 mil.

Os dados são de 2017 e foram organizados pelo Atlas do Estado Brasileiro, feito pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada).

Desigualdade é maior para mulheres

Também há desigualdade entre gêneros, com mulheres ocupando postos de menor salário que os homens. E desigualdades dentro de um mesmo órgão, com servidores com o mesmo tempo de casa e desempenhando funções semelhantes ganhando salários diferentes, devido a falhas no desenho e gestão das carreiras.

Em 2017, mulheres tinham uma remuneração em média 14% menor do que os homens no Executivo federal civil e no Legislativo, e 7% menor no Judiciário.

Nas funções de confiança do governo federal, conhecidas pela sigla DAS, mulheres ocupavam naquele ano apenas 16,7% dos cargos de nível mais alto, os DAS-6, e 24% do segundo nível mais alto, o DAS-5.

Mulheres são maioria no serviço municipal

“As mulheres estão no executivo municipal, trabalhando com saúde e educação, onde se ganha menos. E os homens no Judiciário e no Legislativo federal. Há várias camadas da desigualdade”, diz Gabriela Lotte, coordenadora do Núcleo de Estudos da Burocracia da FGV.

Felix Lopez, pesquisador do Ipea e coordenador do Atlas do Estado Brasileiro, afirma que a disparidade salarial entre os dois gêneros se manteve praticamente estável de 1986 a 2018 no funcionalismo.

Judiciário pesa mais para o Estado

Entre os poderes, o Judiciário é o que teve os maiores ganhos nos últimos 30 anos. Em 1992, a remuneração média de um servidor da Justiça era apenas 5% superior à de um funcionário do Executivo. Em 2017, era o dobro.

“O Judiciário é composto por um grupo social com muito poder, uma elite financeira, intelectual e política, que consegue mais espaço para barganhar e reivindicar. Na disputa para aumentar seus salários, quem tem poder ganha”, afirma Lotte. Às vezes usando estratégias “problemáticas”, como o pagamento de auxílio moradia para quem já tem casa própria, complementa a pesquisadora da FGV.

Desigualdades são fruto de sistema segregacionista

Já a desigualdade de gênero e racial no serviço público está ligada ao modelo de seleção, diz a professora da FGV. Concursos baseados somente no mérito são um “processo desigual de acesso”, diz.

Título: Servidor não ganha demais! Salário de municipais equivale ao de trabalhadores privados, Conteúdo: O governo federal apresentou ontem (03/09) ao Congresso sua proposta de reforma administrativa, com novas regras para contratar, remunerar e promover servidores públicos. Nesse debate, uma posição aparece com frequência: a de que servidores no Brasil ganham demais e têm privilégios. O argumento já foi usado pelo próprio ministro da Economia, Paulo Guedes. Em fevereiro, durante uma palestra, ele comparou os servidores a “parasitas” que se aproveitavam do Estado, o “hospedeiro”. Após a reação de trabalhadores públicos, ele pediu desculpas e disse que havia se expressado mal. É verdade que há entre os servidores, uma elite, como alguns juízes e membros do Ministério Público, que conseguem ter vencimentos de mais de R$ 100 mil por mês, acima do teto constitucional. Mas um olhar detalhado sobre o funcionalismo público, que emprega 11,4 milhões de pessoas, revela um universo de remuneração muito discrepante, como o próprio Brasil — um dos países mais desiguais do mundo. Uma maneira de medir essa desigualdade é comparar o salário médio dos servidores de cada um dos três poderes. Em média, o servidor brasileiro (das três esferas) ganha apenas 19% a mais que um trabalhador da iniciativa privada, diferença abaixo da média de 53 países pesquisados pelo Banco Mundial. E não há praticamente nenhuma diferença salarial entre servidores municipais e trabalhadores da iniciativa privada. Já os servidores estaduais ganham em média 36% a mais do que os funcionários de empresas privadas, enquanto os servidores federais têm uma diferença salarial de 96%. Os salários Servidores municipais têm salário médio de R$ 2,9 mil, mas 61% destes funcionários estão na faixa salarial de até R$ 2,5 mil. Por sua vez, R$ 5 mil é a média salarial de um servidor estadual, que equivale a 55% do salário médio, de R$ 9,2 mil, de um servidor federal. No entanto, há uma prevalência de menor remuneração: No Executivo Federal, 48% de todos os funcionários públicos ganham até R$ 2,5 mil por mês. O que faz a média tanto na esfera Estadual como na Federal ser alta é haver o alto escalão do serviço público, que inclui deputados estaduais, secretários, deputados federais, senadores, presidente, ministros, militares de alta patente, defensores públicos, profissionais do Ministério Públicos, juízes e outros privilegiados. Esta “sorte” não é sentida pelas demais carreiras e cargos. Só no Judiciário, 4,2% recebem mais de R$ 30 mil, enquanto um gestor público do governo federal pode ganhar mais de R$ 25 mil. Os dados são de 2017 e foram organizados pelo Atlas do Estado Brasileiro, feito pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada). Desigualdade é maior para mulheres Também há desigualdade entre gêneros, com mulheres ocupando postos de menor salário que os homens. E desigualdades dentro de um mesmo órgão, com servidores com o mesmo tempo de casa e desempenhando funções semelhantes ganhando salários diferentes, devido a falhas no desenho e gestão das carreiras. Em 2017, mulheres tinham uma remuneração em média 14% menor do que os homens no Executivo federal civil e no Legislativo, e 7% menor no Judiciário. Nas funções de confiança do governo federal, conhecidas pela sigla DAS, mulheres ocupavam naquele ano apenas 16,7% dos cargos de nível mais alto, os DAS-6, e 24% do segundo nível mais alto, o DAS-5. Mulheres são maioria no serviço municipal “As mulheres estão no executivo municipal, trabalhando com saúde e educação, onde se ganha menos. E os homens no Judiciário e no Legislativo federal. Há várias camadas da desigualdade”, diz Gabriela Lotte, coordenadora do Núcleo de Estudos da Burocracia da FGV. Felix Lopez, pesquisador do Ipea e coordenador do Atlas do Estado Brasileiro, afirma que a disparidade salarial entre os dois gêneros se manteve praticamente estável de 1986 a 2018 no funcionalismo. Judiciário pesa mais para o Estado Entre os poderes, o Judiciário é o que teve os maiores ganhos nos últimos 30 anos. Em 1992, a remuneração média de um servidor da Justiça era apenas 5% superior à de um funcionário do Executivo. Em 2017, era o dobro. “O Judiciário é composto por um grupo social com muito poder, uma elite financeira, intelectual e política, que consegue mais espaço para barganhar e reivindicar. Na disputa para aumentar seus salários, quem tem poder ganha”, afirma Lotte. Às vezes usando estratégias “problemáticas”, como o pagamento de auxílio moradia para quem já tem casa própria, complementa a pesquisadora da FGV. Desigualdades são fruto de sistema segregacionista Já a desigualdade de gênero e racial no serviço público está ligada ao modelo de seleção, diz a professora da FGV. Concursos baseados somente no mérito são um “processo desigual de acesso”, diz.



Informativo CONFETAM

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.