Webmail CUT

Acesse seu Webmail CUT


Login CUT

Acesse a CUT

Esqueceu a senha?

Profissionais da educação de São Bernardo do Campo entram em greve por vacina

Insatisfeitos com a falta de imunizantes, trabalhadores e trabalhadoras do ensino público municipal convocaram uma paralisação pela vida para esta sexta-feira (11)

Escrito por: Aline Melo | Diário do Grande ABC • Publicado em: 10/06/2021 - 15:38 • Última modificação: 10/06/2021 - 16:05 Escrito por: Aline Melo | Diário do Grande ABC Publicado em: 10/06/2021 - 15:38 Última modificação: 10/06/2021 - 16:05

. .

Os profissionais da educação da rede municipal de São Bernardo do Campo (SP) estão em estado de greve e convocaram para amanhã paralisação da categoria. O movimento é realizado em protesto à falta de vacina – até ontem o município imunizava apenas trabalhadores com 47 anos ou mais –, além da ausência de EPIs (Equipamentos de Proteção Individual). Ao Diário do Grande ABC, a Prefeitura disse que inicia hoje a proteção dos trabalhadores da educação com 18 anos ou mais, apesar de, até o fechamento desta edição, não ter comunicado oficialmente a categoria nem divulgado a ação em suas redes sociais. 

A categoria alega, ainda, que não estão sendo ofertadas as condições sanitárias adequadas aos trabalhadores, que há falta de EPIs a todos e que o governo do prefeito Orlando Morando (PSDB) não tem proporcionado as condições de infraestrutura necessárias ao trabalho remoto. As aulas presencias na rede municipal foram retomadas no dia 17 de maio.

Em comunicado, o Sindserv-SBC (Sindicato dos Servidores e Empregados Públicos Municipais e Autárquicos de São Bernardo) informou que, conforme deliberado em assembleia da categoria, realizada em 24 de maio, os cerca de 9.000 trabalhadores decidiram pela paralisação amanhã. O sindicato pediu o apoio da população em geral e alegou que a greve é o último recurso na busca por direitos.

Diálogo frustrado

Segundo o diretor do departamento jurídico do Sindserv-SBC e secretário de Comunicação e Imprensa da Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal (Confetam/CUT), Celio Vieira, inúmeras tentativas de diálogo têm sido feitas com a gestão do prefeito Orlando Morando, tanto sobre a necessidade de EPIs adequados para todos quanto sobre o pedido de vacinas. “Temos ação (na Justiça) em que a Prefeitura é obrigada a fornecer os equipamentos e mesmo assim sempre temos problemas”, afirmou. “Outros municípios já estão adiantando as vacinações e São Bernardo nada”, completou.

Por meio de nota, a Prefeitura disse “que segue os planos nacional e estadual de imunização e, no momento, aplica a vacina contra a Covid-19 em profissionais da educação básica pública – federais, estaduais e municipais – e privada acima de 45 anos. Os demais trabalhadores da área, de 18 a 44 anos, começarão a ser imunizados a partir desta quinta-feira (hoje)",

Outras cidades de SP

Na região, Santo André e Ribeirão Pires estão vacinando todos os profissionais das redes pública e privada de educação acima de 18 anos. Em Mauá, a categoria foi dividida por faixas etárias ao longo desta semana e todos acima de 18 anos serão protegidos até amanhã. O município começou a ação ontem com os trabalhadores de 40 a 46 anos. Hoje vai ser imunizado quem tem de 30 a 39, e amanhã, quem tem a partir de 18 anos. Diadema e Rio Grande da Serra estão vacinando profissionais acima de 45 anos.

Em São Caetano, os trabalhadores das redes pública e privada a partir dos 30 anos já podem receber a primeira dose. Em todos os casos, é preciso se cadastrar no site do governo do Estado (vacinaja.educacao.sp.gov.br) e receber o QR Code  por e-mail. Nas cidades de Santo André, São Bernardo e São Caetano também é preciso se cadastrar pelo site das Prefeituras.

O governo do Estado anunciou ontem que o plano estadual prevê a partir de amanhã a imunização de todos os profissionais de educação com 18 anos ou mais.

Título: Profissionais da educação de São Bernardo do Campo entram em greve por vacina, Conteúdo: Os profissionais da educação da rede municipal de São Bernardo do Campo (SP) estão em estado de greve e convocaram para amanhã paralisação da categoria. O movimento é realizado em protesto à falta de vacina – até ontem o município imunizava apenas trabalhadores com 47 anos ou mais –, além da ausência de EPIs (Equipamentos de Proteção Individual). Ao Diário do Grande ABC, a Prefeitura disse que inicia hoje a proteção dos trabalhadores da educação com 18 anos ou mais, apesar de, até o fechamento desta edição, não ter comunicado oficialmente a categoria nem divulgado a ação em suas redes sociais.  A categoria alega, ainda, que não estão sendo ofertadas as condições sanitárias adequadas aos trabalhadores, que há falta de EPIs a todos e que o governo do prefeito Orlando Morando (PSDB) não tem proporcionado as condições de infraestrutura necessárias ao trabalho remoto. As aulas presencias na rede municipal foram retomadas no dia 17 de maio. Em comunicado, o Sindserv-SBC (Sindicato dos Servidores e Empregados Públicos Municipais e Autárquicos de São Bernardo) informou que, conforme deliberado em assembleia da categoria, realizada em 24 de maio, os cerca de 9.000 trabalhadores decidiram pela paralisação amanhã. O sindicato pediu o apoio da população em geral e alegou que a greve é o último recurso na busca por direitos. Diálogo frustrado Segundo o diretor do departamento jurídico do Sindserv-SBC e secretário de Comunicação e Imprensa da Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal (Confetam/CUT), Celio Vieira, inúmeras tentativas de diálogo têm sido feitas com a gestão do prefeito Orlando Morando, tanto sobre a necessidade de EPIs adequados para todos quanto sobre o pedido de vacinas. “Temos ação (na Justiça) em que a Prefeitura é obrigada a fornecer os equipamentos e mesmo assim sempre temos problemas”, afirmou. “Outros municípios já estão adiantando as vacinações e São Bernardo nada”, completou. Por meio de nota, a Prefeitura disse “que segue os planos nacional e estadual de imunização e, no momento, aplica a vacina contra a Covid-19 em profissionais da educação básica pública – federais, estaduais e municipais – e privada acima de 45 anos. Os demais trabalhadores da área, de 18 a 44 anos, começarão a ser imunizados a partir desta quinta-feira (hoje), Outras cidades de SP Na região, Santo André e Ribeirão Pires estão vacinando todos os profissionais das redes pública e privada de educação acima de 18 anos. Em Mauá, a categoria foi dividida por faixas etárias ao longo desta semana e todos acima de 18 anos serão protegidos até amanhã. O município começou a ação ontem com os trabalhadores de 40 a 46 anos. Hoje vai ser imunizado quem tem de 30 a 39, e amanhã, quem tem a partir de 18 anos. Diadema e Rio Grande da Serra estão vacinando profissionais acima de 45 anos. Em São Caetano, os trabalhadores das redes pública e privada a partir dos 30 anos já podem receber a primeira dose. Em todos os casos, é preciso se cadastrar no site do governo do Estado (vacinaja.educacao.sp.gov.br) e receber o QR Code  por e-mail. Nas cidades de Santo André, São Bernardo e São Caetano também é preciso se cadastrar pelo site das Prefeituras. O governo do Estado anunciou ontem que o plano estadual prevê a partir de amanhã a imunização de todos os profissionais de educação com 18 anos ou mais.



Informativo CONFETAM

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.