Webmail CUT

Acesse seu Webmail CUT


Login CUT

Acesse a CUT

Esqueceu a senha?

Desembargadores do TJSE confirmam: revisão salarial dos servidores é obrigatória

Posicionamento reforça o direito à reposição inflacionária de todos servidores públicos

Escrito por: Sindijus/SE • Publicado em: 02/08/2021 - 14:54 • Última modificação: 02/08/2021 - 15:11 Escrito por: Sindijus/SE Publicado em: 02/08/2021 - 14:54 Última modificação: 02/08/2021 - 15:11

. Justiça de Sergipe entendeu que reajuste e revisão são institutos jurídicos diferentes

Os desembargadores do Tribunal de Justiça de Sergipe (TJSE) aprovaram a revisão inflacionária parcial de 3% no vencimento base dos servidores do Judiciário sergipano, em sessão administrativa do órgão na última quarta-feira, 28. Com esse posicionamento, o Tribunal confirma que reajuste e revisão são institutos jurídicos diferentes e este último continua obrigatório.

A decisão do TJSE, aplicada aos seus servidores, é importante para todos os servidores públicos, pois esclarece as interpretações equivocadas que ganharam força em muitos órgãos após a vigência da Lei Complementar 173/2020 - a conhecida 'Lei da Granada' do governo Bolsonaro. A lei proíbe a realização de concursos e reajustes salariais no serviço público até o final de 2021, mas alguns gestores fazem uma interpretação extensiva para violar a reposição inflacionária dos servidores.

O presidente do TJSE, desembargador Edson Ulisses de Melo, explicou que o Judiciário sergipano não está concedendo reajuste e sim a revisão. "O que nós não podemos dar é o reajuste, o reajuste ficou proibido. Mas a revisão, a Emenda Constitucional 109, de março de 2021, no artigo 167-A [da Constituição Federal], propiciou."

Por maioria, os desembargadores aprovaram a revisão salarial, corroborando a tese que vinha sendo defendida pelo Sindicato dos Trabalhadores do Poder Judiciário de Sergipe (Sindijus/SE), no mesmo sentido de outras categoria do serviço público. O movimento sindical sustenta que o reajuste salarial corresponde ao ato de "aumentar", "reajustar" ou "reacertar" a remuneração, atualmente prejudicado pela LC 173. Já a revisão salarial anual consiste na recomposição do poder aquisitivo dos servidores, que continua assegurada no artigo 37, inciso X, da Constituição Federal e mantida pela EC 109.

A direção do Sindijus/SE explica que a decisão restabelece o direito à revisão constitucional que estava ameaçado. "A vitória dos servidores do TJSE é também de todos os servidores públicos. Isso porque a decisão do Des. Edson Ulisses, chefe do Poder Judiciário estadual, dá lastro para outras categorias buscarem o cumprimento da Constituição, com a garantia da revisão salarial." diz Jones Ribeiro, coordenador geral do Sindijus/SE.

Título: Desembargadores do TJSE confirmam: revisão salarial dos servidores é obrigatória, Conteúdo: Os desembargadores do Tribunal de Justiça de Sergipe (TJSE) aprovaram a revisão inflacionária parcial de 3% no vencimento base dos servidores do Judiciário sergipano, em sessão administrativa do órgão na última quarta-feira, 28. Com esse posicionamento, o Tribunal confirma que reajuste e revisão são institutos jurídicos diferentes e este último continua obrigatório. A decisão do TJSE, aplicada aos seus servidores, é importante para todos os servidores públicos, pois esclarece as interpretações equivocadas que ganharam força em muitos órgãos após a vigência da Lei Complementar 173/2020 - a conhecida Lei da Granada do governo Bolsonaro. A lei proíbe a realização de concursos e reajustes salariais no serviço público até o final de 2021, mas alguns gestores fazem uma interpretação extensiva para violar a reposição inflacionária dos servidores. O presidente do TJSE, desembargador Edson Ulisses de Melo, explicou que o Judiciário sergipano não está concedendo reajuste e sim a revisão. O que nós não podemos dar é o reajuste, o reajuste ficou proibido. Mas a revisão, a Emenda Constitucional 109, de março de 2021, no artigo 167-A [da Constituição Federal], propiciou. Por maioria, os desembargadores aprovaram a revisão salarial, corroborando a tese que vinha sendo defendida pelo Sindicato dos Trabalhadores do Poder Judiciário de Sergipe (Sindijus/SE), no mesmo sentido de outras categoria do serviço público. O movimento sindical sustenta que o reajuste salarial corresponde ao ato de aumentar, reajustar ou reacertar a remuneração, atualmente prejudicado pela LC 173. Já a revisão salarial anual consiste na recomposição do poder aquisitivo dos servidores, que continua assegurada no artigo 37, inciso X, da Constituição Federal e mantida pela EC 109. A direção do Sindijus/SE explica que a decisão restabelece o direito à revisão constitucional que estava ameaçado. A vitória dos servidores do TJSE é também de todos os servidores públicos. Isso porque a decisão do Des. Edson Ulisses, chefe do Poder Judiciário estadual, dá lastro para outras categorias buscarem o cumprimento da Constituição, com a garantia da revisão salarial. diz Jones Ribeiro, coordenador geral do Sindijus/SE.



Informativo CONFETAM

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.