Diretores sindicais prestam apoio à Lula, após sua prisão ter sido decretada

06/04/2018 - 15:50

Manifestações em defesa do ex-presidente estão acontecendo em todo Brasil, nesta sexta-feira, dia 6 de abril.

Um dia após ser decretada a prisão do ex-presidente Lula, várias entidades de todo o país prestam solidariedade ao petista. Lula está na sede do sindicato dos metalúrgicos do ABC, em São Bernardo dos Campos, em São Paulo. O ex-presidente disse que não vai se apresentar à Polícia Federal em Curitiba. Desde a quinta-feira vários militantes, sindicalistas e trabalhadores simpatizantes de Lula fazem manifestações pró-Lula e expressam sua revolta com a política atual.

Veja abaixo algumas notas e frases de apoio à Lula:

 

NA LUTA DE CLASSES NÃO EXISTE EMPATE: SOMOS TODOS LULA

Por Itanamara Guedes Cavalcante - Assistente social e presidente da Fetam/SE

 

“Hoje, 06 de abril, é um dia decisivo na luta de classes no Brasil e na luta contra o golpe. A prisão de Lula é a consolidação do golpe. Condenam Lula sem provas, com o objetivo explícito de retirar do povo brasileiro o direito de votar nele para presidente da República e pavimentam o caminho para radicalizar na criminalização dos trabalhadores e suas organizações.

Ocupar as ruas hoje, ao lado dos trabalhadores e dos movimentos sociais, populares, sindicais, feministas e juvenis, não é apenas para defender um homem e um ex-presidente, mas o que a liberdade desse homem representa neste momento para o país. Representa a defesa das liberdades democráticas, a cidadania, a justiça social, a luta pelo fim da exploração e de todas as formas de opressões, representa não deixar o Brasil retroceder e voltarmos a ser governados por um regime ditatorial.

Por isso, como mulher, sertaneja, trabalhadora, sindicalista e assistente social estarei nas ruas, na resistência, porque aprendi com os princípios éticos da profissão de Serviço Social que a liberdade é um valor ético central e das demandas políticas a ela inerentes - autonomia, emancipação, plena expansão dos indivíduos sociais e que devemos nos articular com os movimentos sociais em defesa da construção de uma nova ordem societária com liberdade, igualdade, justiça social e emancipação humana.

Neste sentido convido a todos os colegas assistentes sociais, professores e estudantes  do curso de Serviço Social a se somarem às organizações da classe trabalhadora e ocuparem a Praça General Valadão em Aracaju, às 16 horas, na luta contra o golpe e em defesa da democracia e da liberdade de Lula.”

#Lutapordemocraciaedireitos

#AbaixoaRedeGlobopista

#LulaLivre

 

Os democratas e os fascistas do STF

Por Lizeu Mazzioni - Secretário de políticas públicas e sociais da Confetam e presidente da Fetram/SC

 

“Na última quarta-feira à noite acompanhei até o fim o voto dos ministros do STF no julgamento do HC do Lula. O vídeo dos votos é um arquivo histórico valioso. O voto dos ministros Dias Toffoli, Lewandowski, Celso de Mello e Marco Aurélio Mello, principalmente dos últimos três, resgatam de forma teórica os grandes saltos e retrocessos no padrão civilizatório da humanidade. As revoluções burguesas que geraram os direitos civis e políticos e as revoluções socialistas que geraram os direitos sociais foram extraordinariamente apresentados aos ministros  fascistas que insistem em desobedecer a Constituição Federal e não garantir o processo judicial justo e a  presunção da inocência até o trânsito em julgado conforme garante nossa Constituirão Federal (os problemas e a morosidade da Justiça brasileira exigem outras soluções que possam fortalecer a democracia, nunca a sua destruição).

A prisão em segunda instância é uma decisão do STF de 2016 nos marcos do Estado de exceção da Lava Jato - como o TRF de Porto Alegre admitiu e permitiu em nome do moralismo vigente. No momento em que o STF reafirma esse entendimento, colocando o Juiz e o Judiciário acima da Constituição e das garantias dos direitos individuais, políticos e sociais, o país abandona a democracia para empoderar os justiceiros - moralistas sem moral e os fascistas que já atuam no judiciário político, nas redes sociais e nas ruas, jogando o país nessa crise de fim imprevisível. Lula vale a luta porque é a democracia que está sendo condenada. Lula não teve um processo justo, foi condenado sem provas, lidera as intenções de voto e está ameaçado de prisão antes do "trânsito em julgado", garantia constitucional que está sendo atropelada. Não é o Lula que está acima da Lei, é o STF e o Moro que estão querendo tratar o presidente, que melhor governou o país abaixo das garantias constitucionais.”

 

Fetam/RN convoca os trabalhadores para manifestação em defesa de Lula

Por Francisco de Assis Gomes Filho – Presidente da Fetam-RN

 

“Companheir@s Diretor@s da Fetam-RN e Sindicatos filiados à esta Federação.

Mediante a decretação da prisão do ex-presidente Lula, de forma arbitrária, pelo Juiz Sérgio Moro, convocamos todo o conjunto da Fetam-RN para manifestações contra a prisão do ex-presidente Lula e a forma arbitrária como vem se conduzindo o Juiz Moro e o poder judiciário.

Orientamos como ações:

a) – Realização de assembleias nos sindicatos e locais de trabalho para denunciar a prisão arbitrária do Presidente Lula e defender a sua inocência;

b) – Nessas assembleias convocar manifestações populares nas ruas;

c) – Entrar em contato urgente com as lideranças dos movimentos sociais de sua cidade, sindicatos, das Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo para organizar e potencializar as manifestações.

 

Lula Livre.

Confetam participa da manifestação em defesa de Lula

A secretária de finanças da Confetam e presidente da Fetam-SP, Paula Leite, está em frente ao sindicato dos metalúrgicos do ABC, em São Bernardo dos Campos, participando das manifestações a favor de Lula. Segundo ela “estamos vivendo um dos piores momentos da vida da classe trabalhadora e da esquerda do país. Estamos em um clima de resistência e luta, mas seguimos com a cabeça erguida por temos a certeza de que estamos do lado certo”, ressaltou Paula.